Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO ECONOMICO



Defasagem média no preço dos fretes é de 15%
28 de Maio de 2014 - 02:52 horas / Valor Econômico

O desequilíbrio no valor dos fretes cobrados no Brasil é um dos principais problemas enfrentados pelos transportadores de carga no país. Segundo a Associação Nacional dos Transportadores de Carga e Logística (NTC), a defasagem média entre o custo e o valor do frete por carreta hoje no Brasil está em 15%. Em algumas rotas, como no trajeto Manaus-São Paulo, que inclui trecho rodo-fluvial e escoa grande parte da produção da Zona Franca de Manuas, essa defasagem chega a 35%. "Isso reduz a rentabilidade das transportadoras. Em média, as 50 maiores do setor têm uma margem de apenas 2% sobre as vendas", diz Neuto Gonçalves dos Reis, diretor técnico da NTC.
 

A defasagem acontece apesar do represamento no preço dos combustíveis. "Esse insumo representa 30% do custo do frete. Se o diesel for reajustado em 10%, o impacto no frete é de 3% e o repasse tem de ser imediato", observa. As expectativas variam. "O setor sucroalcooleiro, por exemplo, espera pagar fretes de 5% a 10% mais altos para transportar açúcar", diz Newton Gibson, presidente da Associação Brasileira de Logística e Transporte de Carga (ABTC). "Já os produtores rurais do Centro-Oeste trabalham com uma redução média de até 40% no custo do transporte da safra em 2015, em levantamento feito pela Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), por causa da nova rota de escoamento pelo Pará e da aguardada pavimentação na BR-163 sentido Cuiabá (MT) a Santarém (PA), a ser concluída."


Para Caio Wagner Couto, professor da pós-graduação de logística do IBMEC-MG, as distorções do frete no Brasil são provocadas pela ineficácia da estrutura dos modais de transporte no país. "Há uma concentração excessiva no modal rodoviário, que responde por cerca de 75% da carga, e sem integração. Uma carga de soja sai de trem no Centro-Oeste, mas tem de fazer transbordo para caminhão para chegar a São Paulo", diz. Gibson acrescenta que as condições inadequadas de uma rodovia podem até dobrar o valor final do frete. "Além disso, elevam o consumo dos combustíveis com acelerações e frenagens frequentes", diz.


Gonçalves dos Reis aponta o excesso de concorrência no transporte rodoviário como um dos principais fatores de defasagem no frete. "Há muita oferta e o transportador acaba oferecendo descontos que não deveria", observa. Ao mesmo tempo, há uma série de fatores que pressionam os custos dos transportadores. "Falta mão de obra qualificada, o tempo de espera nas barreiras fiscais é longo, há perdas causadas pelas restrições de circulação de caminhões em rodovias e nas vias urbanas, onde o motorista tem que ficar parado esperando liberação de tráfego, o que atrasa a entrega, além da Lei do Descanso que aumenta o tempo da viagem e o custo da mão de obra", enumera Gibson.


Vale notar que, apesar da defasagem, o custo ainda é elevado. No Brasil, o frete médio de uma carga de grãos entre a lavoura e o porto foi de US$ 92 em 2013, contra US$ 23 nos Estados Unidos e US$ 20 na Argentina", compara Luiz Antônio Fayet, consultor de Logística da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Fayet observa que há um grande desnível regional no frete cobrado no país, devido à má distribuição da infraestrutura. "A fronteira agrícola se expandiu em direção ao Norte do país, sem investimentos em infraestrutura para escoar a produção", diz.




NOVIDADES

NEWSLETTER

Receba nossas novidades!
   

ARQUIVOS












Maiores informações ou o esclarecimento de dúvidas poderão ser efetuadas através da

nossa página de contato ou pelo telefone
(11) 2632-1023

SETCESP • Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de São Paulo e Região

Rua Orlando Monteiro, nº 1 • CEP: 02121 021 • Vila Maria • São Paulo • SP
(11) 2632 - 1000 •
setcesp@setcesp.org.br