Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO ECONOMICO


MP permite que Correios disputem mercado de logística comercial
12 de Abril de 2010 - 10:00 horas / Valor Econômico

O planejamento estratégico dos Correios para os próximos anos prevê uma revolução. A Medida Provisória (MP) que o governo deverá publicar nas próximas semanas abre espaço para a estatal começar a operar em serviços de logística comercial, onde hoje operam gigantes internacionais como Fedex, DHL e UPS, e empresas nacionais como Cometa, TNT, TAM Cargo e VarigLog. Segundo o presidente da Empresa Brasileira de Correios (ECT), Carlos Henrique Custódio, se permanecer apenas nas áreas em que tem monopólio, como cartas e informes bancários, a empresa terá valor econômico praticamente nulo dentro de algum tempo e passará a apresentar déficit que exigirá dos cofres públicos uma quantia bilionária todos os anos, como já ocorre nos Estados Unidos e em diversos países da América Latina, levando ao fechamento de muitas estatais. Para enfrentar esse cenário, nos últimos três anos a ECT elaborou um novo plano para diversificar sua atuação em logística, usando a infraestrutura que possui e principalmente sua capilaridade. As estratégias vão desde intensificar a atuação na entrega de mercadorias compradas por meio eletrônico até vender serviços financeiros como seguros e títulos de capitalização, usando os carteiros que sobem e descem as ruas do país todos os dias. Para isso, Custódio conta com a aprovação da MP que tem, entre seus principais dispositivos, transformar a ECT em uma sociedade por ações (SA). A empresa poderá ter subsidiárias sozinha ou também com sócios privados. Custódio confirmou que os Correios têm interesse em montar, com a iniciativa privada, uma empresa aérea, conforme publicou o Valor no início do mês. Recentemente, a ECT sofreu seguidos contratempos com a quebra de aviões de pequenas companhias aéreas que lhe prestam serviços. Algumas delas têm menos de cinco aeronaves, o que compromete grande parte do potencial das empresas. Os principais fornecedores no setor aéreo aos Correios hoje são: Total, Airbrasil, Rio, Trip, Gol, TAM, VarigLog, NTA, ABSA e Webjet. Com os problemas de algumas dessas empresas, entregas em todo o país têm sofrido atrasos. A ECT gasta, em média, R$ 400 milhões por ano com serviços aéreos. Com a empresa própria, teria mais segurança sobre o funcionamento dessa malha, podendo ter mais aviões de reserva, exemplifica o seu presidente. O formato dessa empresa ainda será definido, mas estima-se que os Correios terão 49% das ações e a outra empresa, que contaria com apoio inicial do BNDES, teria 51% da participação, ou seja, o controle acionário. O modelo societário ainda não foi definido, mas poderá ser uma Parceria Público Privada (PPP), uma joint venture ou ainda outro formato. Os Correios possuem, atualmente, cerca de R$ 4 bilhões em capital. Até há alguns anos, esse patrimônio permitia à empresa um certo conforto porque sua receita financeira era bastante elevada com a remuneração de juros. Nos últimos anos, porém, a ECT passou a ter mais dificuldades, mas ainda se mantém no azul. O número de correspondências carregadas pela empresa caiu em 1 bilhão nos últimos cinco anos, o que representa R$ 700 milhões a menos na receita, por ano. “Precisamos ter uma melhor configuração porque é claro que o volume de cartas cai significativamente, principalmente de uma pessoa física para outra.“ Custódio destaca que, apesar da queda na demanda dos Correios, a infraestrutura da empresa tem pouca elasticidade. Por ser uma estatal, a ECT não pode demitir livremente, por exemplo. Nos últimos anos, o USPS, o correio americano - que tem monopólio mais abrangente do que o da ECT no Brasil -, demitiu milhares de pessoas e estuda entregar correspondências apenas em três dias por semana. Mesmo assim, o USPS exige bilhões de dólares do governo dos EUA todo ano para cobrir o déficit, observa Custódio. No Brasil, em 2008, entre impostos e dividendos, a ECT ainda rendeu R$ 2 bilhões ao governo. Para Custódio, há grandes chances de os Correios serem competitivos ao concorrer com as empresas privadas de logística. “Eles atuam só no filé mignon“, afirma o presidente da ECT, referindo-se à presença maior das empresas no Sudeste, onde estão 85% do faturamento da ECT. Já foram mapeados cerca de 2 mil concorrentes da estatal nesse mercado - de empresas de motoboys a aéreas - mas, para ele, a capilaridade da estatal garante a competitividade mesmo nos novos serviços. Não haveria custo maior para esses serviços de mão de obra ou transporte, por exemplo, já que os carteiros e os aviões dos Correios poderão ficar ociosos com o tempo. “Com a MP, vamos até continuar a crescer, porque hoje ninguém faz o que a gente faz e ninguém consegue fazer logística mais barato.“ Um dos serviços que Custódio quer intensificar é o de assistência técnica de produtos, buscando-o na casa do cliente e levando-o para a empresa responsável. Esse serviço, chamado de logística reversa, já é adotado em fase preliminar para aparelhos celulares. Segundo Custódio, transformando-se em uma estatal SA, como hoje são Petrobras e Caixa Econômica Federal, por exemplo, os Correios buscarão novos critérios de governança corporativa. A estatal foi o gatilho da maior crise política enfrentada pelo governo Lula, o Mensalão. Custódio descarta a abertura de capital da estatal, mas assegurou que, como SA, a ECT vai buscar maiores padrões de governança corporativa, como publicar balanços periódicos e ter maior responsabilidade social. “Apesar do risco econômico, sempre teremos um importante papel estratégico e social por nossa presença em todo país.“


NOVIDADES

NEWSLETTER

Receba nossas novidades!
   

ARQUIVOS












Maiores informações ou o esclarecimento de dúvidas poderão ser efetuadas através da

nossa página de contato ou pelo telefone
(11) 2632-1023

SETCESP • Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de São Paulo e Região

Rua Orlando Monteiro, nº 1 • CEP: 02121 021 • Vila Maria • São Paulo • SP
(11) 2632 - 1000 •
setcesp@setcesp.org.br