Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 


Após 8 quedas consecutivas, alta do PIB confirma recuperação da economia
05 de Junho de 2017 - 01:50 horas / FECOMERCIOSP

O primeiro resultado positivo do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, após oito quedas consecutivas, demonstra que os sinais de recuperação da economia vão se confirmando. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), apesar de o PIB do primeiro trimestre de 2017 ter caído 0,4% em relação ao mesmo período de 2016, a elevação de 1% sobre o trimestre anterior superou um pouco o que era projetado no começo do ano.

 

De acordo com a Entidade, apesar de não ser um número para se comemorar, a queda de 0,4% é um alento em relação à média de 2016, que começou com queda de 5,4%, passando para -3,6%, -2,9% e -2,5%. Além da evidente trajetória positiva, o ritmo da recuperação se acelerou do final do ano passado para o começo deste ano.

 

O resultado foi puxado pelo Setor Externo (exportações e importações), especificamente pelo Agronegócio, com alta de 15,2%. Na avaliação da Entidade, esses dados mostram que o Brasil permanece com os mesmos gargalos de produção e estrutura produtiva de décadas, dependendo fortemente desses dois setores, ainda que tenha um mercado consumidor potencial gigantesco. A FecomercioSP acredita, porém, que esse desempenho certamente vai se espalhar gradativamente pelo resto da economia, mas a retomada é, por si só, um processo lento e gradual de difusão entre setores.

 

Sob a ótica da demanda, o consumo das Famílias ainda está caindo em relação ao ano passado (-1,9%), assim como o do Governo (-1,3%). Na avaliação da FecomercioSP, a redução da participação do Governo na economia é uma boa notícia porque abre espaço para o investimento do setor privado. A Entidade pondera que a queda de 3,7% na Formação Bruta de Capital Fixo (investimento) em relação ao mesmo período de 2016 retarda a retomada da economia, embora os índices estejam melhorando em relação ao ano passado. Em igual período de 2016, a queda foi de 17,3%.




NOVIDADES