Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 



Melhora na perspectiva para nota de risco do Brasil pode impulsionar investimentos
20 de Março de 2017 - 02:56 horas / CNT

A melhora na perspectiva para a nota de risco soberano do Brasil – de negativa para estável – gera uma sinalização positiva ao mercado e pode favorecer a atração de investimentos para o país. A elevação foi anunciada pela agência de classificação de risco Moody’s (uma das três mais tradicionais do mundo) na última quarta-feira (15). Ela indica que o Brasil não deve sofrer novo rebaixamento nas próximas revisões da agência.

 

Para a CNT (Confederação Nacional do Transporte), a notícia é ainda mais importante por ocorrer em um momento em que o governo federal inicia a nova fase de concessões no país, no âmbito do Projeto Crescer. Isso porque os investidores, principalmente aqueles de fora do Brasil, usam a avaliação das agências de risco em suas decisões de investimento, dando preferência aos países com melhor classificação (ver no Quadro 01, abaixo, a evolução das notas do Brasil). Assim, a expectativa da recuperação do nível de investimento deve ser benéfica, atraindo novos participantes para as licitações de infraestrutura de transporte programadas pelo governo federal.

 

Apesar de a nota do país em moeda estrangeira ter permanecido em Ba2 (o que a mantém em grau especulativo), a revisão da perspectiva evidencia que as condições macroeconômicas no país estão melhores e que os elementos especulativos, que levaram ao rebaixamento, estão sendo gradualmente eliminados do cenário brasileiro.

 

Há pouco mais de um ano, em fevereiro de 2016, a Moody’s rebaixou em dois graus a nota de risco do Brasil. Os títulos brasileiros passaram de uma avaliação de grau de investimento para o nível especulativo, gerando desconfiança para investidores. Na ocasião, além de o cenário econômico estar diferente do atual (com inflação e taxas de juros mais altas, além da queda mais expressiva do PIB em 2015 – ver Quadro 02, abaixo), a crise política comprometia a expectativa sobre o desempenho do mercado.

 

A CNT avalia, assim, que a análise da Moody’s pode ser um indicativo consistente de que o país conseguiu realizar os ajustes mínimos exigidos pelo mercado. Se isso for confirmado e o país voltar a atrair investimentos, a retomada do crescimento pode estar mais próxima.

 

Entenda aqui o sistema de avaliação da Moody’s




NOVIDADES