Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 



Nova câmera de trânsito flagra quem usa o celular enquanto dirige
21 de Janeiro de 2019 - 14:58 horas / UOL

Atire a primeira pedra quem nunca mexeu no celular enquanto estava no volante. O smartphone é uma das maiores, se não a maior, distração dos motoristas na atualidade, mas uma nova tecnologia que já estreou no Reino Unido pode forçar uma reeducação contra esse hábito perigoso de motoristas. Além de multados por guardas, eles agora são pegos por câmeras de trânsito que identificam quem está mexendo no celular enquanto dirige.

 

Em vez de simplesmente registrar se o carro está acima do limite de velocidade, o aparelho também identifica quem está no celular, comendo ou fumando no volante. Ele vai além disso: enxerga até se pessoas estão sem cinto de segurança dentro do automóvel.

 

De acordo com o "Daily Mail", estas câmeras são colocadas em pares separados por um mínimo de 200 metros, para detectar a velocidade média dos carros. Isso faz com que o motorista tenha que respeitar de verdade o limite, pois apenas frear logo antes do radar não é suficiente para evitar a multa - esse tipo de sistema já existe aqui no Brasil.

 

A diferença está na detecção do que o motorista está manuseando - que não seja o próprio volante. Como funciona com infravermelho, o radar é capaz de enxergar mesmo durante a noite.

 

Com esta rigidez maior e mais ostensiva do trânsito, ficará mais difícil dar uma olhada nas últimas mensagens e passar impune. Melhor para a segurança das ruas, que ficarão menos sujeitas a acidentes causados por distração, o que vinha aumentando segundo Charlie Klauer, chefe do grupo de prevenção de riscos e lesões a adolescentes do Virginia Tech Transportation Institute.

 

Ao "New York Times", ele sinalizou que os smartphones estariam relacionados a esse aumento, mas os dados que mostrem quantos acidentes são causados pelo uso de celulares são escassos. No Brasil, por exemplo, o Ministério da Saúde tem levantamentos sobre quantos brasileiros bebem e dirigem, além do número de mortes ou internações causadas por acidentes.




NOVIDADES