Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 


Queda de preços estimada pela Petrobras não chega aos consumidores
22 de Novembro de 2016 - 04:01 horas / CNT

A nova redução do preço dos combustíveis nas refinarias, anunciada pela Petrobras no dia 8 de novembro, novamente não causou impacto significativo para os consumidores. A expectativa da estatal era que o diesel ficasse até 6,6% mais barato nas bombas, o equivalente a R$ 0,20 por litro. Porém, a redução ficou em apenas R$ 0,01.

 

Conforme o levantamento semanal de preços feito pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço do litro do diesel comum passou de R$ 3,00 para R$ 2,99. O do S-10 passou de R$ 3,15 para R$ 3,14. Os valores correspondem à média nacional dos valores, pesquisados em postos de combustíveis ao longo das duas últimas semanas (6 a 12 de novembro e 13 a 19 de novembro).  

 

Segundo a Petrobras, “como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de petróleo, especialmente distribuidoras e postos de combustíveis”.

 

Nas distribuidoras também os valores não mudaram significativamente, segundo os números da ANP. Entre o anúncio da estatal, que confirmou a diminuição nas refinarias, no dia 8 de novembro, e a semana passada, tanto o diesel comum quanto o S-10 diminuíram R$ 0,02.

 

Gasolina

 

Assim como o diesel, a gasolina não teve, até agora, a redução esperada pela Petrobras nos postos de combustíveis. A estatal estimava que os preços poderiam cair 1,3% para o consumidor final, o equivalente a R$ 0,05. Mas os valores médios, no país, passaram de R$ 3,68 para R$ 3,67, baixa de apenas R$ 0,01.

 

Nova política de preços

 

A Petrobras anunciou uma nova política de preços dos combustíveis em outubro. O objetivo é realizar avaliações, no mínimo, uma vez por mês para revisão dos valores e, com isso, acompanhar a tendência do mercado internacional. Dessa forma, em cada avaliação pode haver manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias.

 

Como resultado da primeira avaliação, em outubro, a Petrobras diminuiu os preços e calculou que a gasolina e o diesel poderiam ficar R$ 0,05 mais baratos nas bombas. Mas a redução não chegou ao consumidor final.

 

Somando as duas revisões de preços (em 14 de outubro e em 8 de novembro), a gasolina deveria estar R$ 0,10 mais barata e o diesel, R$ 0,25. Mas, em relação aos preços registrados pela ANP na semana de 9 a 15 de outubro, a gasolina está R$ 0,02 mais cara e o diesel, R$ 0,01 mais barato.

 

Desde outubro, a gasolina passou de R$ 3,65 para R$ 3,68; depois, baixou para R$ 3,67. O diesel comum, por sua vez, se manteve estável em R$ 3,00 e, na última semana, chegou a R$ 2,99. O diesel S-10 saiu de R$ 3,14, chegou a R$ 3,15 e voltou para R$ 3,14.




NOVIDADES