Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 



Relator defende debate da reforma trabalhista pelo plenário da Câmara
10 de Abril de 2017 - 04:51 horas / Agência Brasil

O relator do projeto de lei (PL 6787/16) que, se aprovado, reformulará a legislação trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), disse no último dia 06 concordar com parlamentares que defendem que a proposta do Poder Executivo seja discutida também no plenário da Câmara.


"Sou favorável", afirmou Marinho ao ser questionado sobre a iniciativa de deputados contrários à proposta, que, prevendo a aprovação do parecer de Marinho, tentam reunir os votos necessários para levar o assunto ao plenário.


"Eles têm meu voto. Não creio que um projeto dessa estatura deve ser discutido apenas pela Comissão Especial. É importante e necessário que o conjunto dos deputados possa participar da discussão desse projeto, que é tão importante para o país", acentuou. A audiência pública que a Comissão Especial realizou no dia 06 foi a última antes da data anunciada por Marinho para apresentar o seu relatório, na próxima quarta-feira (12).


Parlamentares pedem mais tempo para análise


Deputados de oposição, como Wadih Damous (PT-RJ), acusaram Marinho de "atropelar" o plano de trabalho inicialmente acordado e pedem mais tempo para o debate.


Como o projeto de lei tramita em caráter conclusivo, se os membros da Comissão Especial aprovarem o relatório de Marinho, o projeto seguirá diretamente para o Senado, sem a necessidade de passar pelo plenário da Câmara. No entanto, o regimento da Casa estabelece que os deputados que quiserem podem entrar com recurso a fim de tentar levar o plenário a analisar o tema. Para tanto, precisam reunir 51 votos.


Além de reafirmar a intenção de apresentar seu relatório na próxima quarta-feira, Marinho assegurou que recomendará o fim da contribuição sindical obrigatória, tornando-a opcional. Para o relator, o excesso de entidades sindicais prejudica a representação do trabalhador e o fim da contribuição obrigatória pode democratizar o processo sindical brasileiro.




NOVIDADES