Quem Somos | Comercial | Diretoria Adjunta | Mantenedores |  Parcerias  | Agenda do Presidente | Imprensa | Contato | Editorial |
HOME | NÚCLEO OPERACIONAL
 



Rodovias federais que cruzam rios e lagos não comprometem a qualidade da água
23 de Março de 2018 - 14:47 horas / DNIT

Todos sabem que a água é fundamental a todas as formas de vida na Terra, e que é fator primordial para o desenvolvimento humano. Embora o Brasil seja um país privilegiado, possuindo 12% de todas as reservas de água doce do planeta, preservar essa fonte de vida é essencial para nosso futuro.

 

Por esse motivo, para a execução de obras nas rodovias de todo o país, o DNIT realiza extensos monitoramentos dos recursos hídricos nos rios e lagos interceptados, de forma a identificar, prevenir e corrigir qualquer impacto negativo neste importante recurso natural.

 

Análises realizadas pelo DNIT em todo o Brasil demonstram que a qualidade da água dos rios e lagos interceptados pelas vias não é afetada de forma permanente durante obras de pavimentação e duplicação ou durante a operação das rodovias federais. A qualidade da água é um dos temas em discussão no 8º Fórum Mundial da Água, realizado esta semana em Brasília.

 

Para cada uma das amostras coletadas, são quantificados pelo menos nove parâmetros físicos, químicos e biológicos, como temperatura, turbidez, pH, oxigênio dissolvido, além da presença de coliformes fecais, dados que compõem o índice de qualidade da água, ou IQA.

 

Por meio da análise de 10.693 amostras de água, coletadas em 448 pontos em todo o país, ao longo de 10 anos, não foram constatadas alterações permanentes estatisticamente significativas dos parâmetros observados durante as obras ou após as mesmas, que possam ser atribuídas às rodovias, nos pontos analisados.

 

Durante as obras, observa-se a elevação temporária e reversível da turbidez e da quantidade de sólidos dissolvidos no corpo hídrico, devido à inevitável movimentação do solo no local. Após a conclusão dessas atividades, no entanto, esses parâmetros físicos retornam aos índices anteriores.

 

Para se aferir se é a rodovia, ou não, a origem de eventuais dados negativos encontrados a respeito da água dos rios, as amostras são sempre coletadas antes e depois dele cruzar a via e então comparadas. Assim pode-se ter certeza se a água já estava, ou não, contaminada antes de cruzar a rodovia.




NOVIDADES